O Piolhito esteve [no Festival da Canção 2020]



Com o avançar da pandemia do coronavírus pelo mundo, muitos dos eventos mundiais têm vindo a ser cancelados ou adiados. Falamos da passagem do campeonato de futebol europeu para 2021 (fazendo com que Portugal mantenha o título por mais um ano), falamos do adiamento dos jogos olímpicos para o ano que vem (que ficámos a conhecer hoje) ou do cancelamento do Festival da Eurovisão, que decorreu sempre, ininterruptamente, desde 1956. Sobre este último, e sobre todas as canções que, entretanto, tinham sido escolhidas, a EBU (que organiza o certame) esclareceu que terá que existir uma nova seleção nacional para 2021. Ou seja, o “Medo de Sentir”, da Marta Carvalho, interpretada pela Elisa, já não nos representará. E era uma escolha que tinha a minha aprovação (e sim, já me disseste que a tua favorita era a Bulgária).  

O Piolhito está [a pedir para ficarem em casa]


















Voltei, porque estamos em Estado de Emergência. Voltei, porque estamos em guerra. Voltei, porque a angústia de ver tudo isto, é mais forte que a minha preguiça. Voltei, porque de repente ficámos isolados e com demasiado tempo para pensar. Em nós. Nos outros. Na vida. Voltei, porque nada disto faz muito sentido. Voltei, porque a necessidade de exteriorizar tudo isto, é uma necessidade extrema de sobrevivência. Física. Mental. Voltei, porque se não fosse hoje, seria amanhã. Voltei, porque era inevitável. Voltei, porque sim. Voltei, porque precisei de voltar.